segunda-feira, 27 de agosto de 2012

...A father can do for his daughter is to love her mother

Pais tranquilos, filhos tranquilos.
Claro que poderão haver excepções como em tudo mas isso são casos onde muito mais haverá a ponderar e a analisar!
Regra geral, pais com uma situação bem resolvida quer juntos ou separados contribuem para filhos muito mais saudáveis a nível psíquico!
Sempre me imaginei a dar aos meus filhos uma situação estável, muito principalmente dar-lhes um bom ambiente.
Gritos, zangas e guerras são intoleráveis para mim e tento fugir a 7 pés cada vez que posso.
Pais que se esquecem dos filhos e travam entre si desenfreadamente guerras terríveis não podem gostar deles!!
A separação entre casais pode e deve acontecer de uma forma tranquila pensando neles, nos mais pequenos que idealizam aqueles 2 seres (pai e mãe) como as pessoas mais importantes à face da terra!
Se o casal já não suporta estar junto então há que separar as águas e cada um seguir o seu caminho mantendo sempre um elo saudável porque ter pais em conflito é do pior que existe!!
Acredito que a personalidade de cada criança se pode moldar e que uma relação estável pode contribuir para o sucesso escolar e para a conduta enquanto pessoa.
Tenho amigas professoras e em conversas oiço dizer que conseguem perceber quando um aluno está a atravessar uma fase mais complicada no seio familiar.
É notório pela forma da caligrafia por exemplo!!
Surpreendente como isto os pode afectar!
Por isso, atenção aos gritos, aos gestos repentinos e agressivos, ás palavras improprias e de conteúdo "duro"!
Eles estão sempre de olhos em nós, no que fazemos e dizemos...eles adoram-nos e nós somos os "maiores".
Se fazemos é porque estamos certos, pelo menos aos doces olhos dos nossos bebés!



Este é mais um momento Limetree

Facebook AQUI

9 comentários:

  1. So true! Os meus pais separaram-se quando eu ainda andava na primária e a professora chamou a minha mãe à escola porque percebeu que algo se passava, e nunca ouvi os meus pais discutirem. Na minha casa não há gritos, nem entre mim e o meu marido nem com a minha filha. Acho que não se resolve nada aos gritos, mas a falar e com calma. Tenho sempre muito cuidado com o que digo e como digo à minha filha, pois sei que ela presta atenção a tudo e tem uma exelente memória. Bjitos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :-) os miudos lembram-se mais que nós!! Eu por exemplo lembro-me de coisas com 1,5 apesar de dizerem ser impossivel!!!! bjssss

      Eliminar
    2. Eu também me lembro de coisas que me dizem ser impossível mas é verdade. :)

      Eliminar
  2. Concordo com o post em pleno muito bom mesmo, eu sou um verdadeira medricas, no que trata a barulhos, zangas e confusões sou incapaz de me aproximar tão pouco. Infelizmente à pais que não ocnseguem parar um minuto para perceberem o mal que estão a provocar não neles porque mais cedo ou mais tarde tudo passa, ou não, mas nos miudos fica sempre registado. Na minha opinião o grito nunca leva à razão! um beijinho grande!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :-) Sempre que se puder evitar...é de o fazer! Não podemos perder a consciencia disso embora ás vezes seja dificil! bjss

      Eliminar
  3. Olá Joana
    Eu concordo completamente com o teu post. Subscrevo quase tudo, menos a frase que foi utilizada para ilustrar. Aí não podia discordar mais.
    A coisa menos importante que eu faço pelas minhas filhas deve ser amar a mãe delas (o que também faço). Não que isso "estrague" o post, mas juntar apenas na mesma frase "father", "mother", "daugther" e "love" não é suficiente para fazer uma boa frase :)
    Muitos parabéns pelo blog. Gosto muito de o visitar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pedro! Obrigada por este comentário!
      Realmente parece pouco "amar a mãe dela" mas acredite que no fundo é uma grande fatia do bolo!!! E vice versa que amar o "pai" é tão igualmente importante!!!! Um beijinho e mais uma vez obrigada pela visita!!!!

      Eliminar